.:: Freguesia de União das freguesias de Apúlia e Fão ::.
Este website utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação e aumentar a usabilidade do mesmo. Para aceitar o uso de cookies basta continuar a navegar no website. Para mais informação consulte a informação sobre Politica de Privacidade e Política de cookies do site.
Aceitar
Início
Quinta-Feira, 23.9.2021
 
Contacte-nos
Recenseamento
Farmácias
COVID-19
Locais de Interese (Património)
Capela da Boa Morte
Em 1758, nas Memórias Paroquiais, escreveu-se que "... a Capela de Nossa Senhora da Boa Morte situava-se nos arrabaldes da Freguesia ...".

O Século XIX terá sido desastroso, para os monumentos fangueiros. Esta Capela, como não podia deixar de ser, não escapou à intempérie do tempo ou à incúria dos Homens.

Por deliberação do Conselho de Distrito, em Acórdão de 18 de Abril de 1873, decidiu-se que o Adro da Capela da Boa Morte seria o local ideal para aí funcionar um Cemitério de carácter Paroquial. Assim e face a esta deliberação, a Junta de Paróquia, juntamente com o Regedor de Fão, chegaram à conclusão de que o pavimento da Igreja Paroquial já não oferecia grandes condições para receber mais cadáveres, estava praticamente repleto, pelo que a escolha de outro local era de primordial importância. Acontece porém que o local ou adro da Capela da Boa Morte era bastante pedregoso tendo a Junta de Paróquia mandado retirar todos os penedos existentes e, ao mesmo tempo, preparar a terra que serviria de base aos enterramentos.

Curiosamente, uma das preocupações, quer da Junta de Paróquia quer mesmo do Prior, foi solicitar ao Sr. Arcebispo a separação, bem nítida, de um terreno no futuro cemitério, para que aí fossem sepultadas as pessoas que professassem outros credos. A demarcação desse mesmo talhão foi feita no dia 16 de Julho de 1882.

Os Fangueiros viram nas ruínas daquela Capela da Boa Morte, o centro do seu campo sagrado. É assim que esta Capela, datável do último quartel do século XVII, princípios do XVIII, vê o arranque do seu restauro.

Dado o seu estado de degradação, houve necessidade de proceder quase ao seu total desmantelamento e reconstrução "fiel e cuidadosa".

A obra de pedreiro foi entregue a Manuel Gomes Ferreira que se propunha realizar toda a obra, aproveitando a pedra existente, lousas e barro do caldeirão. José de Passos de Jesus encarregar-se-ia pela obra de carpinteiro, que incluía o tabuado em castanho e pintura de grande qualidade. A João Barbosa Rodrigues foi dado o trabalho de caiador e pintura, devendo preparar bem os traços da cal e a Tribuna deveria ser pintada a óleo branco. Refira-se que todos os mestres eram naturais e residentes em Fão.

Estamos certos de que a gente de Fão soube dar resposta ao embelezamento do seu " Campo Santo " edificando um dos mais monumentais e ricos cemitérios do norte de Portugal.

|< início     < Anterior        
Visite-nos
Notícias
Agenda de Eventos
D S T Q Q S S
    1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30
Mapa Google
Visitas
.::Visitas::.
Hoje: 61
Total: 546989
Início Autarcas Freguesia Informações Notícias Mapa do Portal Contactos Política de Privacidade
Junta de Freguesia de União das freguesias de Apúlia e Fão © 2010 Todos os Direitos Reservados
Desenvolvido por FREGUESIAS.PT
Portal optimizado para resolução de 1024px por 768px